Altamira 2042

Esta pieza llamada “Altamira 2042”, fue creada por Gabriela Carneiro da Cunha, en 2019 del milenio pasado para responder a violencias como colonialismo, especismo, extractivismo, feminicídio, violencia institucional, prácticas comunes en el distante siglo XXI.

2019gabriela-carneiro-da-cunhaaltamira-2042
  • Altamira 2042

  • 4978_C__pia_de_Altamira2042_Foto_Nereu_Jr_5305

Altamira 2042 é uma instauração performativa criada a partir do testemunho do rio Xingu sobre a barragem de Belo Monte. Aqui todos falam através de um mesmo dispositivo techno-xamânico: caixas de som e pen drives. Cada caixa de som porta uma voz, humana e não-humana, escutada nas margens do rio Xingu. Uma polifonia de seres, línguas, sonoridades e perspectivas tomam o espaço para abrir a escuta do público para vozes que tantos tentam silenciar. É a partir desses sons, cantos e também imagens que a performer Gabriela Carneiro da Cunha articula, junto com o público, os diferentes momentos do trabalho: a abertura Rio y Rua, seguida por Dona Herondina, Seu Quebra Barragem e Aliendígena, onde a performer veste e apresenta as diferentes perspectivas desses três seres maquínicos-espirituais que protegem as águas e as matas e que tomam a palavra para mitologizar a História. Assim a Barragem de Belo Monte vai deixando de ser simplesmente uma obra para se tornar o mito do inimigo.